Quem disse que é especial?

Eduardo Freire visita o moinho Belarina
Fevereiro 24, 2018
Criatura da Georgia – Um café feito sob medida!
Março 11, 2018

texto por Edgar Martins *



Estamos na era da informação, podemos aprender e ser o que quisermos, basta querer. Até certificações que capacitam profissionais para exercer suas funções, estão ao alcance de todos, certo?

Errado. Hoje trabalho em um dos setores que mais cresce no mundo, e todos querem trabalhar com café e serviço de qualidade. Só que pelo que tenho visto, o nível de preparação dos baristas é abaixo da crítica.

Porque contratamos Baristas não certificados?

Não sei. Assim como toda profissão, o barista também precisa de certificação para exercer o seu trabalho. Precisa de conhecimentos básicos pra operar uma máquina de café da maneira certa, e trabalhar num bar da forma correta.

Claro que temos profissionais mal formados em todos os segmentos, mas quando o assunto é qualidade, não deveríamos abrir mão da formação.

O maior prejudicado nesse jogo de "ninguém precisa saber fazer pra fazer” é o profissional dedicado. Na realidade, o setor de cafeterias no Brasil é tão novo e já com inversão de valores. Onde se da bem quem faz menos ou errado. Achou um exagero? Vamos então pensar juntos: um bom barista, precisa saber de bebidas de maquina (curso de barista) métodos de extrações (curso de brewing) e claro provar café (curso de análise sensorial)… Para ser um profissional iniciante, bem básico mas com o mínimo conhecimento, o investimento necessário fica por volta de três mil reais e 4 dias de curso.

Mas porque vou fazer curso, se posso vender e ganhar sem fazer? Algum barista pode me perguntar. Respondo com facilidade com um exemplo: como o consumidor vai saber que o pacote de café que está comprando por um preço bem mais alto, tem a pontuação correta, como vai saber se o coado de quase R$ 20,00 que está tomando é realmente de um café de origem, quais foram todos os processos necessários pra chegar o nível de café especial? Como vai saber se a extração deste café esta correta, dentro dos padrões ideais? Quem será o barista que vai dar todas essas respostas?

Se o cliente não gostou, ou não entendeu a proposta, vai sair insatisfeito e concluir que não gosta de cafés especiais. É menos um cliente para o setor.

Qualidade não se faz com informalidade. Tive que estudar muito, fazer muitos cursos, investir realmente muito tempo e dinheiro pra saber o que sei, aprender o que aprendi, pra entregar o trabalho que entrego. Felizmente quem me conhece consome meu trabalho tranquilo, com a certeza que é feito com base e respeito. Mas e quem não teve a devida formação?

Portanto acabo de criar uma NECESSIDADE.

Isso mesmo, necessidade, de ter uma certificação, um documento, um controle, uma prova que a cafeteria trabalha realmente com café especial, que garanta ao cliente uma experiência incrível.

E a pergunta que gostaria de escutar dos cliente é: Quem disse que é especial?



* Edgar Martins - Dga, é barista instrutor AST pelo SCA Educational Program, Campeão de Aeropress em 2015 e atualmente gerente no Lucca em Curitiba

Uma abordagem sobre a formação e a necessidade de baristas com domínio do conhecimento sobre cafés nas cafeterias, feita por Edgar Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *