Coffee Hunting 2016/17 – Cerrado Mineiro – Fazenda Barinas

Francisco Guimarães da Quinta dos Guimarães do Cerrado Mineiro
fevereiro 13, 2017
Equipe Barinas em campanha no Lucca
fevereiro 13, 2017

Foi o Sr Alberto Castro Alves que iniciou a cultura de café na propriedade da família. Hoje, o filho Marcio, e o neto Tiago, dão continuidade ao trabalho, focados em cafés especiais de altíssima qualidade.

Começamos nossa visita sendo recebidos por Márcio, que nos levou em primeiro lugar à antiga casa de fazenda, onde ele morou quando criança. Foi surpreendente, pois a casa está totalmente preservada, como a família morou no passado. as memórias estão todas lá, é como se fosse um pequeno museu, mas ainda com ar de moradia. O Pai de Márcio foi uma figura proeminente em Araxá e deixou suas memória num livro.

Não é somente esta a particularidade da Fazenda. Todas as construções seguem uma linha arquitetônica, que une sempre a funcionalidade, características da arquitetura regional pelo uso de materiais e estilos locais. Não há discriminação na qualidade do acabamento das construções, as mesmas paredes de Adobe e tábuas de demolição são vistas em refeitórios alojamentos e na casa de moradia da família. O mesmo tema arquitetônico está presente em tudo, mas como é de se esperar pela formação de engenheiro civil de Márcio, nunca se sobrepõe à funcionalidade.

Apesar da história presente, a região com natureza privilegiada, nas encostas da Serra da Canastra, o faro aguçado de uma coffee hunter como o da Georgia sentiu acima de tudo o potencial de qualidade dos microlotes.

Após uma vistoria completa na lavoura e também na infraestrutura de beneficiamento, fomos conhecer o laboratório, funcionando sob a tutela do Warley Oliveira, provador e antigo colega da Georgia em concursos de qualidade de cafés especiais. Anexo ao laboratório, tem uma cafeteria que não perde para nenhuma outra que conhecemos. Foi um dos melhores espressos em portafiltro naked que tomamos. Claro que tem a ver com o microlote que o Warley escolheu para nos servir.

Mas foi a prova de cafés que coroou a viagem. Incrível que em apenas 5 anos de aplicação do conceito de produção de cafés especiais na propriedade tenham conseguido tanta qualidade e diferenciação. O entusiasmo da Georgia pelos microlotes foi explicado meses depois nos sucessivos prêmios que a fazenda ganhou.

Uma grande experiência nesta visita, além de de provar estupendos microlotes, conhecer a história da região, da fazenda e da família Castro Alvez foi emocionante. Veja mais detalhes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *